Controle de Gado: Individual ou por lote?

A pecuária exerce um forte papel na economia do país, sendo esta uma atividade econômica voltada para exploração dos produtos advindos de animais, o que carrega diversas peculiaridades produtivas, administrativas e outras. Contudo, a coleta de dados e controle da atividade é um dos fatores cruciais de sucesso, como em qualquer outra atividade.

Realizar o controle da pecuária de forma eficiente é necessário por vários motivos como controle do patrimônio, desempenho de estratégias, planejamento de vendas, índices de produtividade, controle operacional, entre outros. Sem ele, fica impossível de medir o sucesso da atividade e propor ajustes necessários. Ainda, quando mal realizado, pode prejudicar a saúde financeira e comprometer a sustentabilidade de longo prazo do negócio.

MAS QUAL A MELHOR FORMA DE MONITORAR OS ANIMAIS?

Basicamente, existem duas maneiras de se realizar o controle do gado, individualmente ou por lotes:

O monitoramento individual trabalha com o acompanhamento animal por animal dentro da propriedade. Idealmente, cada animal irá possuir uma ficha individual, onde suas características e desempenhos serão anotados e monitorados. Informações de consumo, ganho de peso, aplicação de medicamentos, devem ser computados individualmente, a fim de se analisar a performance individual de cada animal.

Sabidamente, entretanto, encontramos dificuldades práticas para mensurar e coletar grande parte das informações produtivas de forma individual. Ainda que façamos usos de balanças para mensurar o peso individual dos animais, nos dias de hoje, ainda é inviável mensurar o consumo individual dos mesmos, seja em produções extensivas ou mesmo em confinamentos. É aí que o questionamento sobre o objetivo do controle se faz extremamente importante:

QUAL É O OBJETIVO DO CONTROLE DE GADO?

O controle do gado será feito para (i) apuração do mérito genético de determinada característica específica, (ii) por exigência do mercado consumidor ou  (iii) para análises de estratégias e identificação dos cenários que maximizem o lucro?

Caso a resposta seja a alternativa (iii), o controle individual torna-se custoso e ineficiente. De que adianta mensurarmos o ganho de peso individualmente, se não conseguimos mensurar o consumo de forma individual? Neste caso, estamos analisando o lado da receita – deposição de carne na carcaça- de maneira individual, enquanto analisamos o lado do custo – a nutrição – de forma agregada.

O controle do gado individual apresentará altos custos para registros de informações individuais de animais, enquanto que a análise final de lucro será feita de maneira agregada, uma vez que não conseguimos individualizar os componentes de custo.

Ainda, à medida que discutimos estratégias de negócio, as análises tornam-se mais relevantes ao passo que planejam o futuro, e levam em consideração horizontes de tempos mais longos (2 anos em diante). O problema que surge:

Como tornar viável o planejamento de animal por animal? Como predizer quais animais, individualmente, serão mantidos ou descartados no próximo mês, ou no próximo ano?

O controle de gado por lote torna-se o mais eficiente e relevante para maximização de lucros na atividade pecuária.

CONTROLE POR LOTE – FOCO EM ANÁLISES ESTRATÉGICAS

No controle por lote, o monitoramento é feito de maneira agregada, ou seja, um conjunto de animais (lotes), que é denominado através de características da propriedade (categoria animal, raça etc). Como no controle individual, o monitoramento em lote permite diversas análises comparativas entre animais e de seus resultados (custo por @ vendida, margem por cabeça e outros), porém no conjunto de animais, podemos encontrar informações agregadas que tornam o processo de decisões, planejamento e outras informações mais eficientes e com menores custos, afinal, com um mesmo recurso de monitoramento, você pode acompanhar o desempenho de 100, 200, 300 ou quantos animais estiverem contidos no seu lote, com critérios e necessidades pré-estabelecidas pelo pecuarista.

O controle por lote requer a entrada de pouquíssimas informações, em contraste com o controle individual. Nele é necessário apenas a entrada da quantidade total consumida, ou a quantidade total de vacina aplicada. Não há dificuldades quanto a forma de análise de rações ou vacinas desperdiçadas (como alocar insumos desperdiçados, animal a animal?). Apenas o ganho de peso médio basta para análises estratégicas. Mais ainda, é possível estimar facilmente como a melhora de indicadores zootécnicos, como ganho de peso, impacta os retornos econômico-financeiros. O mesmo se aplica para pecuária leiteira. O controle por lote permitirá predizer se o sistema produtivo ideal deve contemplar vacas com mérito genético que levam a produção de 15 litros/vaca/dia ou de vacas com produção de 45 litros/vaca/dia. A análise individual, muitas vezes, não nos permite ter a visão do todo ou planejar o futuro.

O controle por lotes apresentará a apuração de resultados (custos e receitas) de forma mais relevante para o produtor no planejamento estratégico a longo prazo, gerando métricas e indicadores (consumo, ganho de peso, rendimento da carcaça, eficiência alimentar e outros) que serão instaurados para melhoria contínua e constantes avaliações do agronegócio.

CONTROLE INDIVIDUAL – MELHORAMENTO GENÉTICO E RASTREABILIDADE

Caso a resposta para a pergunta sobre o objetivo do controle de gado seja a alternativa (i) ou (ii), pode haver a necessidade do controle individual dos animais, ainda que este possa ocorrer de forma paralela e independente do controle por lote, com o objetivo de mensurar características específicas. Para alternativa (i) será alguma característica genética que pode ser melhorada, enquanto que para alternativa (ii) será o controle de origem do animal, necessário para venda dos mesmos em mercados consumidores específicos.

Este tipo de monitoramento pode empregar alta tecnologia advinda da instalação de diversos equipamentos, como brincos para  identificação visual ou por rádio frequência, reconhecimento facial, chips eletrônicos, entre outros. Hoje, grande parte delas ainda apresentando altos custos, seja dos equipamentos em si, ou do manejo necessário para coloca o controle em prática.

CONTROLE DE GADO NA PRÁTICA

Supondo que temos um rebanho de 10 mil cabeças para engorda na fase final de confinamento, o produtor sabe e respeita a frase “Se você não mensurar, não pode avaliar. Se não pode avaliar, não pode manejar” e entende a importância de métricas para manejo e controle eficiente da sua atividade no presente e a longo prazo. Imaginando que ele tenha uma lista de métricas para serem avaliadas para aperfeiçoar o resultado do confinamento:

  • Lucro total
  • Lucro por @
  • Custo por @ engordada
  • Custo por @ vendida
  • Eficiência alimentar
  • Arrobas produzidas
  • Peso de entrada
  • Peso de saída
  • Dias de Cocho
  • GMD
  • Rendimento de carcaça (%)
  • Peso de Carcaça
  • Ganho líq. carcaça
  • Acabamento
  • E outros

O objetivo deste produtor na atividade é obter os maiores retornos econômicos possíveis. Para tanto, ele precisa estimar o ponto econômico ótimo de produção – quando os animais produzirão mais carne ao custo mais baixo? Quando pode encher um caminhão (para reduzir custos de transporte e manejo) de animais e enviá-lo ao comprador?

Para este produtor e seu objetivo, o monitoramento individual pode até ser feito, porém irá desprender muito recurso (financeiro, mão-de-obra e etc) devido à quantidade de animais e informações a serem obtidas, além de que algumas informações podem erroneamente serem coletadas ou “perdidas” na caderneta de campo e em suas anotações. Ainda, para se tornar completo e preciso, o controle individual deveria prever a coleta de indicadores de custo de forma individual também, como o consumo de ração.

O monitoramento em lote estaria desconsiderando a genética individual do rebanho, mas as métricas agregadas que foram apuradas em lote podem gerar resultados significativos e rápidos para o manejo e melhorias do confinamento deste pecuarista, já que ele teria em mãos o manejo realizado no lote, as raças e animais contidos e as métricas que resultaram na somatória de diversos fatores, seja uma suplementação bem realizada, seja da genética empregada e outras.

ENTENDA A SUA GESTÃO

Devido a tantas peculiaridades encontradas na produção pecuária, principalmente o que diz respeito a controle para manejo e acompanhamento dos animais dentro e fora da porteira, pecuaristas vem apostando em novos aliados: ferramentas digitais que auxiliam na hora de administrar seu negócio, sem que isso prejudique o tempo desprendido no campo para gerir as outras áreas do agronegócio, e acompanhando de perto a cadeia técnico-produtiva de seu rebanho.

Além disso, o controle de gado por lotes ou por animal caracteriza diferentes diferentes níveis de detalhamento de controle de dados, o que além da granularidade dos dados escolhida (animal ou lote), pode variar quanto à frequência ou periodicidade, o que deve ser analisado de acordo com a realidade e momento atual do empreendimento.

Em suma, o controle de animais deve ser específico ao objetivo que se busca, tendo em vista a simplicidade e eficiência. Deve fornecer dados internos da produção que sejam relevantes para tomada de decisões do produtor. O controle por animal confere maior detalhamento, contudo, implica em aumento substancial do custo de gestão. Estes têm grande valia para a rastreabilidade e melhoramento genético. Já o controle por lotes de animais oferece menor custo de gestão, e ainda, tem maior relevância para planejamento e tomada de decisões estratégicas, principalmente no longo prazo.

Receba Nossa Newsletter
Junte-se a mais de 10.000 visitantes que recebem nossa newsletter e se beneficiam com artigos sobre gestão no agronegócio.
Somos contra spam. Seu endereço de email está seguro e não será compartilhado.

Use o Facebook para Comentar nesse Post

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *